Home > Banco de Questões > História > História do Brasil > Simulados

Brasil Colônia V

Lista de 20 exercícios de História do Brasil com gabarito sobre o tema Brasil Colônia com questões de Vestibulares.



01. (UFGD) Leia o texto a seguir.

O Brasil era um grande empreendimento colonial cuja característica, durante mais de 300 anos, foi a lavoura, a mineração e a economia de exportação. A escravidão era a forma predominante de trabalho, mas sempre à margem da economia de exportação, com o passar do tempo, passou a existir uma população de trabalhadores rurais e famílias que constituíam uma classe camponesa.

SCHWARTZ, Stuart. Escravos, Roceiros e Rebeldes. Bauru: EDUSC, 2001. p.123.

O brasilianista Stuart Schwartz, em sua obra Escravos, Roceiros e Rebeldes (2001), trata das diversas relações entre escravos, senhores e outros grupos que compunham a sociedade escravocrata brasileira. Considerando o texto citado e o período que abrange o Brasil Colonial, assinale a alternativa correta.

  1. A economia do Brasil Colonial teve avanços econômicos, pois o capitalismo triunfou na sociedade, em especial, face aos senhores de engenhos nordestinos.
  2. A sociedade não era formada apenas por senhores e escravos. Havia uma população de trabalhadores rurais livres que desempenhavam importantes atividades, sobretudo na produção de gêneros alimentícios.
  3. As relações políticas e econômicas entre senhores, escravos e população livre eram estabelecidas pela Coroa Portuguesa. Nessas relações, dois aspectos eram centrais: livre competitividade e subordinação ao Império.
  4. A sociedade no Brasil Colonial era constituída por senhores e escravos. Esses dois grupos dominavam as relações de trabalho e eram responsáveis pela produção de alimentos e de matérias-primas que abasteciam o forte mercado interno.
  5. A economia do sistema escravista baseou-se na livre iniciativa e conseguiu agregar de modo satisfatório senhores, escravos e trabalhadores rurais livres.

02. (ACAFE) A mineração durante o período colonial brasileiro foi uma das frentes que contribuíram para a interiorização da economia e para o surgimento de vilas e cidades no interior.

Acerca desse contexto e sobre o ciclo do ouro é correto afirmar, exceto:

  1. As casas de fundição exerciam a função de controlar a cobrança do quinto, um imposto sobre o ouro extraído pelos mineradores. O ouro “quintado” era transformado em barras com o selo real português.
  2. A ação dos tropeiros contribuiu para o surgimento de um mercado interno. A região mineradora era abastecida por esta atividade com charque e outros derivados da pecuária.
  3. A Guerra dos Emboabas foi um conflito que resultou das tentativas de controle das minas de ouro descobertas pelos colonos e bandeirantes que desejavam o monopólio da exploração e eram contrários a presença de portugueses e exploradores de outras regiões.
  4. Intensificação das bandeiras de apresamento e escravização dos indígenas que eram a principal mão de obra na exploração do ouro de aluvião e das lavras.

03. (UFPA) No regime escravocrata brasileiro é importante observar que os sujeitos escravizados mantinham laços de solidariedade, associações religiosas e redes de sociabilidade, portanto eram agentes de sua história. Ao rigor do cotidiano violento que lhes impunham os senhores escravocratas, esses sujeitos, como forma de reação, praticaram

  1. fugas em massa o que causou um sério prejuízo aos donos de fazendas de café, que contavam com a vigilância de capatazes e a cumplicidade de contrabandistas de escravos para seu controle parcial.
  2. insurreições, fugas individuais e coletivas, assassinato de feitores e senhores, o que favoreceu a formação de quilombos ou mocambos, sobretudo após o surgimento do quilombo de Palmares.
  3. roubo de produtos da fazenda que terminavam por ser vendidos na cidade por escravos que viviam “sobre sí”; o resultado das vendas era revertido para as irmandades de homens negros e santas casas de misericórdia.
  4. fugas para as matas localizadas em áreas pantanosas, como forma de dificultar a captura pelo capitão-domato; além disso, os negros contavam com a ajuda dos índios catequizados na formação de quilombos.
  5. contrabando de café para os navios negreiros vindos da África, utilizando-se o resultado da venda para a compra de alforrias e a aquisição de armamentos para a defesa dos quilombos.

04. (ACAFE) A União Ibérica (1580-1640) caracterizou-se quando Filipe II invadiu Portugal com suas tropas e assumiu a coroa portuguesa, unindo Portugal e Espanha.

No contexto da União Ibérica, todas as alternativas estão corretas, exceto a:

  1. Em 1640 terminou o domínio espanhol, através do movimento liderado pelo Duque de Bragança. O duque foi coroado monarca de Portugal, dando início a dinastia de Bragança.
  2. Neste período, o Tratado de Tordesilhas não teve nenhum efeito entre os limites territoriais portugueses e espanhóis na América. Isto favoreceu o avanço português para o interior da colônia.
  3. O principal motivo da União Ibérica foi a tentativa da França de anexar a Espanha ao seu território. A União do exército espanhol com o exército português conseguiu afastar esta ameaça.
  4. Os holandeses invadiram o nordeste neste período e dominaram Pernambuco, pois os espanhóis não estavam permitindo o contato comercial dos batavos com os produtores de açúcar.

05. (UDESC) A Lei do Ventre Livre foi uma lei abolicionista, promulgada, no Brasil, em 28 de setembro de 1871.

Sobre a Lei do Ventre Livre, assinale a alternativa correta.

  1. Foi promulgada pelo Imperador Pedro II e concedia liberdade a todas as crianças e às respectivas mães que viviam sob a escravidão no território brasileiro.
  2. Essa lei encontrou forte resistência entre os senhores, visto que não previa indenização pelo fim da escravidão das crianças nascidas a partir da publicação da lei.
  3. Instituía a liberdade de todas as crianças nascidas a partir da publicação da lei, mas deixava a possibilidade dessas crianças permanecerem sob “os cuidados” do antigo proprietário até a idade de 21 anos.
  4. Como a lei libertava a criança, mas não libertava os pais, assim que nasciam essas crianças eram retiradas do convívio com os pais escravizados e eram destinadas a um abrigo mantido pelo Estado.
  5. De acordo com a lei, os senhores tinham a opção de manter as crianças libertas junto aos pais escravizados até a maioridade, mas os senhores não podiam usufruir da mão de obra delas.

06. (ACAFE) A União Ibérica (1580-1640) caracterizou-se quando Filipe II invadiu Portugal com suas tropas e assumiu a coroa portuguesa, unindo Portugal e Espanha.

No contexto da União Ibérica, todas as alternativas estão corretas, exceto a:

  1. Em 1640 terminou o domínio espanhol, através do movimento liderado pelo Duque de Bragança. O duque foi coroado monarca de Portugal, dando início a dinastia de Bragança.
  2. Neste período, o Tratado de Tordesilhas não teve nenhum efeito entre os limites territoriais portugueses e espanhóis na América. Isto favoreceu o avanço português para o interior da colônia.
  3. O principal motivo da União Ibérica foi a tentativa da França de anexar a Espanha ao seu território. A União do exército espanhol com o exército português conseguiu afastar esta ameaça.
  4. Os holandeses invadiram o nordeste neste período e dominaram Pernambuco, pois os espanhóis não estavam permitindo o contato comercial dos batavos com os produtores de açúcar.

07. (ACAFE) A mineração durante o período colonial brasileiro foi uma das frentes que contribuíram para a interiorização da economia e para o surgimento de vilas e cidades no interior.

Acerca desse contexto e sobre o ciclo do ouro é correto afirmar, exceto:

  1. Intensificação das bandeiras de apresamento e escravização dos indígenas que eram a principal mão de obra na exploração do ouro de aluvião e das lavras.
  2. A ação dos tropeiros contribuiu para o surgimento de um mercado interno. A região mineradora era abastecida por esta atividade com charque e outros derivados da pecuária.
  3. A Guerra dos Emboabas foi um conflito que resultou das tentativas de controle das minas de ouro descobertas pelos colonos e bandeirantes que desejavam o monopólio da exploração e eram contrários a presença de portugueses e exploradores de outras regiões.
  4. As casas de fundição exerciam a função de controlar a cobrança do quinto, um imposto sobre o ouro extraído pelos mineradores. O ouro “quintado” era transformado em barras com o selo real português.

08. (UFAM PSC) “Martim Afonso de Souza trouxe as primeiras mudas de cana-de-açúcar da ilha da Madeira e instalou o primeiro engenho da colônia em São Vicente, no ano de 1533. Inaugura-se, assim, a base econômica da colonização portuguesa no Brasil” (VICENTINO, C. e DORIGO, G. História Geral e do Brasil. Vol. 2. São Paulo: Scipione, 2014). No entanto, um elemento fundamental seria necessário para imediatamente dinamizar essa “base econômica” que se espalhou, sobretudo, pelo litoral da Bahia e de Pernambuco.

Assinale a alternativa correta:

  1. A força de trabalho, a qual foi satisfeita já nos primeiros tempos pela mão de obra africana escrava, obtida por meio do tráfico negreiro.
  2. A força de trabalho, a qual foi satisfeita nos primeiros tempos pela mão de obra indígena cativada por meio de intensos e belicosos apresamentos.
  3. O capital mercantil da burguesia holandesa que sempre financiou a produção de açúcar e a distribuição nos centros de consumo da Europa ocidental.
  4. O monopólio, sistema de exclusividade que os senhores de engenho obtinham da Coroa portuguesa para proceder ao plantio da cana-deaçúcar no Brasil.
  5. A sesmaria, sistema de distribuição de terras pela Coroa portuguesa aos senhores de engenho para o extrativismo da cana-de-açúcar nos latifúndios coloniais.

09. (UFSC) Portugal não deu trégua aos moradores da América. Farejava oportunidade de tributar onde germinassem riquezas. Os engenhos começavam a moer cana-de-açúcar e já apareciam taxas para as caixas de açúcar; uma nova taberna abria as portas e os barris de vinho chegavam mais caros. O gado que pisava nos pastos exigia do seu dono uma contribuição; os carregadores que palmilhavam os caminhos deixavam nas contagens um pagamento pelos secos e molhados que as tropas levavam [...]. Esse fiscalismo assombrou o Brasil. Mas assombravam mais ainda as reações da população. Um furacão de revoltas contra os impostos varreu a colônia. Revoltas, mas também rumores, pasquins, abaixo-assinados, conspirações.

FIGUEIREDO, Luciano. Morte aos impostos! Viva o rei. Revista de História, jul. 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2015.

Sobre as tensões, os conflitos e as resistências na América portuguesa, é CORRETO afirmar que:

01. o estopim que deu início à Conjuração Mineira (1789) foi o Decreto da Derrama, cobrança dos impostos devidos que mobilizou os mineradores a pegar em armas e efetivar o levante contra a coroa portuguesa.

02. no cenário que desencadeou a Revolta dos Beckman (1684) estavam as altas taxas cobradas pela Companhia Geral de Comércio do Grão-Pará e Maranhão para o embarque de mercadorias e a falta de fornecimento de escravos, o que contribuiu para a insatisfação dos colonos.

04. para combater o contrabando e aumentar a arrecadação de impostos, foram instituídas as Casas de Fundição na região das minas, contra as quais se organizou um levante liderado pelos mineradores com tumultos em várias vilas da região.

08. os movimentos da Conjuração Mineira (1789) e da Conjuração Baiana (1798) tinham como finalidade criar uma nação brasileira, pois seus integrantes almejavam a independência de toda a América portuguesa.

16. as mortes por enforcamento de personagens como Filipe dos Santos e Manuel Beckman representam casos únicos de punição aos revoltosos.

  1. 05
  2. 20
  3. 22
  4. 06
  5. 07

10. (UFAM PSC) “O Portugal do século XVIII é quase inseparável da figura dominadora do marquês de Pombal (1699- 1782). Para alguns, Pombal, que para todos os efeitos governou Portugal entre 1750 e 1777, é uma grande figura do despotismo esclarecido, comparável a Catarina II da Rússia, a Frederico II da Prússia e a José II da monarquia austríaca. Para outros, ele não passa de um filósofo inexperiente e de um tirano maduro”

(MAXWELL, Kenneth. Marquês de Pombal. Paradoxo do Iluminismo. Rio de Janeiro, Paz e Terra, tradução de Antônio de Pádua Danesi, 1996, p. 1).

Este texto do historiador Kenneth Maxwell remete à figura de Sebastião José de Carvalho e Mello (Conde de Oeiras e depois Marquês de Pombal), sendo este um dos principais articuladores das reformas empreendidas nos vinte e sete anos de reinado de D. José I de Portugal (1750- 1777), as quais atingiram suas colônias na América. No concernente ao Brasil, uma das reformas foi nos campos geopolítico e econômico, com a mudança de sede do Estado do Brasil, ou seja, de Salvador para o Rio de Janeiro em 1763.

Assinale a alternativa que NÃO corresponde ao conjunto de motivos que levaram a essa transferência de sede do Estado do Brasil:

  1. A posição geográfica do Rio de Janeiro que, por ser mais próxima, permitia melhor escoamento da grande produção agrícola das regiões de Mariana e Sabará, principalmente algodão e arroz, durante o século XVIII.
  2. A posição estratégica do Rio de Janeiro para prover socorro militar mais rapidamente às tropas luso-brasileiras na Colônia de Sacramento, caso ocorresse novo confronto com os espanhóis nessa área fronteiriça do Sul com as possessões espanholas.
  3. Melhores condições de defesa do Rio de Janeiro, por causa do maior fechamento geográfico da baía de Guanabara, quando comparadas às de Salvador, por causa da maior abertura geográfica da baía de Todos os Santos.
  4. No decorrer do século XVIII, o Rio de Janeiro passou a ser o principal porto marítimo do Estado do Brasil, em razão do escoamento dos metais preciosos e dos diamantes vindos do interior e do recebimento de importações, principalmente de escravos a serem enviados para as Minas.
  5. O Rio de Janeiro passou a concentrar, cada vez mais, a burocracia administrativa metropolitana, principalmente para a cobrança de impostos.

11. (UFU) No final da década de 1970 e início da década de 1980, vários trabalhos foram publicados abordando a temática do mercado interno. Trabalhos esses, de base empírica, que se encarregaram de demonstrar a forte presença de relações de troca e a sua significação para o desenvolvimento interno da colônia. Trata-se agora de avaliar as especificidades do mercado interno brasileiro, as diversas modalidades em cada região e a sua integração com a sociedade local.

CHAVES, Cláudia Maria das Graças. Mercadores das minas setecentistas. São Paulo: Annablume, 1999, p. 27 (Adaptado).

A historiografia recente sobre a economia do Brasil colonial tem enfatizado uma dinâmica econômica mais diversificada, que pode ser exemplificada

  1. pela crescente presença de um tráfico interno de indígenas escravizados, com apoio da Igreja, e responsável pela formação de grupos mercantis no interior da colônia.
  2. pelo fortalecimento, ao longo de todo o século XVIII, da economia açucareira que, ao contrário da economia mineradora, era muito mais voltada ao mercado interno.
  3. pela presença de mecanismos de acumulação endógena de capital e pela formação de grupos mercantis que constituíram riqueza para além das barreiras impostas pelo sistema colonial.
  4. pelas atividades bandeirantes de exploração do interior que, financiadas essencialmente pela Igreja, foram decisivas na ampliação do mercado doméstico a partir do desenvolvimento de novas culturas.

12. (Mackenzie) Atraídos pela possibilidade de acesso às terras e pressionados pelos graves problemas econômicos e sociais que assolavam a Europa, em meados do século XIX, milhares de imigrantes vieram para o continente americano. O governo brasileiro e o norte-americano passaram a se posicionar com relação à posse de terras, promulgando leis, a saber: A Lei de Terras (1850), no Brasil e o HomesteadAct (1862), nos Estados Unidos. O paralelo que podemos identificar entre eles é que

I. o governo norte-americano, para atrair imigrantes, decretou o HomesteadAct, que definia a posse de uma propriedade com 160 acres a quem a cultivasse por cinco anos. Já a lei nacional passou a proibir a aquisição de terras públicas a não ser por compra, dificultando a formação de pequenas propriedades.

II. a Lei de Terras esteve estreitamente ligada à Lei Eusébio de Queirós, que proibiu o tráfico de escravos para o Brasil, pois a aquisição de terras só era possível por meio da compra, o que mantinha os trabalhadores livres sob o domínio dos grandes proprietários. Nos EUA, o presidente Lincoln, apesar da oposição dos proprietários do Sul do país, aprovou a lei relacionada à posse de terras a fim de desenvolver e ocupar a região Oeste do país.

III. essas legislações relativas ao direito à terra tinham, nos dois casos, a finalidade de atrair os imigrantes europeus, tendo em vista a preocupação de aprimorar a questão racial nas Américas, com a vinda de mais homens brancos, além dos mesmos estarem preparados para o trabalho especializado nas indústrias. Assinale

  1. se apenas I estiver correta.
  2. se apenas II estiver correta.
  3. se apenas III estiver correta.
  4. se apenas I e II estiverem corretas.
  5. se apenas II e III estiverem corretas.

13. (UFRGS) Considere as seguintes afirmações sobre a história indígena no Brasil.

I - O letramento de índios guaranis, nas reduções jesuíticas do sul do Brasil, foi fundamental na defesa dos interesses territoriais indígenas, por ocasião das disputas entre as monarquias ibéricas, durante o século XVIII.

II - A Bula do Papa Paulo III, de 1537, ao reconhecer a possibilidade de conversão dos índios americanos à fé católica e ao interditar sua escravização, colocou fim à exploração da mão de obra indígena na América.

III- A independência do Brasil acarretou discussões a respeito da política indigenista, o que consolidou medidas legislativas que reconheciam o direito dos índios à terra, presente na Constituição de 1824.

Quais estão corretas?

  1. Apenas I.
  2. Apenas II.
  3. Apenas I e III.
  4. Apenas II e III.
  5. I, II e III.

14. (Mackenzie) Em 1 de abril de 1808, durante a regência de D. João, o alvará de 1785 foi revogado, o que permitiu a liberação e o estabelecimento de indústrias e manufaturas no Brasil. Apesar disso, na prática, essa providência não alcançou seus objetivos de capacitar o país para desenvolver suas indústrias, porque

  1. os acordos de parceria estabelecidos entre o Brasil e a Inglaterra, para o incremento técnico das manufaturas nacionais, foram cancelados por falta de interesse da elite agrária do nosso país.
  2. D. João, apesar de ter permitido a instalação de manufaturas no país, defendia a superioridade dos produtos industrializados europeus perante os similares nacionais.
  3. faltava ainda, a adoção de uma política de proteção alfandegária nacional, diante da concorrência das mercadorias britânicas, além do nosso mercado consumidor interno não ser muito amplo.
  4. novos acordos comerciais foram assinados com potências europeias, o que ampliou os privilégios dos comerciantes estrangeiros no nosso país, em detrimento dos interesses nacionais.
  5. apesar da Inglaterra ter honrado os acordos comerciais e entregado máquinas e equipamentos industriais, a nossa mão de obra escrava não tinha especialização necessária para o trabalho na indústria.

15. (UFRG) Assinale a alternativa CORRETA sobre a história do Império colonial português na América, durante o século XVIII.

  1. A decadência do comércio de açúcar das Antilhas, desde o século XVII, possibilitou o crescimento extraordinário da produção canavieira no Brasil.
  2. A Carreira da Índia foi uma rota comercial que permitiu o fluxo de produtos, como tabaco, aguardente, tecidos e especiarias, entre o Oriente e a América.
  3. A descoberta do ouro na América portuguesa ocorreu somente no século XVIII, na capitania de São Vicente.
  4. A Conjuração Mineira foi o último episódio de sedição ocorrido no Brasil, no século XVIII.
  5. As medidas tomadas pela administração portuguesa, durante o Reformismo Pombalino, promoveram ideais iluministas, com o incentivo à educação jesuítica na formação da elite colonial.

16. (UCPEL) A atividade da mineração, comparada à economia açucareira, apresentou algumas diferenças e peculiaridades, entre as quais é correto citar o seguinte:

  1. A sociedade nordestina apresentou maior estratificação social do que a mineira em função do desenvolvimento do comércio interno.
  2. A mineração possibilitou a alforria de alguns escravos que podiam comprar sua própria liberdade, algo praticamente inexistente no ciclo açucareiro.
  3. A capital política da colônia manteve-se inalterada ao longo do período colonial, apesar do novo ciclo econômico proporcionado pela mineração.
  4. A crise do sistema colonial se fez sentir no ciclo minerador, ocorrendo apenas, nessa região, um movimento inspirado no Iluminismo.
  5. A atividade açucareira impossibilitou outras atividades paralelas que permitissem a ocupação do sertão, diferente do que vai ocorrer na mineração.

17. (UECE) Atente ao que se diz a respeito dos dois partidos políticos denominados Partido Português e Partido Brasileiro, considerando os acontecimentos que culminaram com o processo de emancipação política brasileira de 1822.

I. O Partido Português, composto em sua maioria por comerciantes portugueses, gostaria de ver mantidos os privilégios a eles proporcionados pela estrutura colonial e desejava o retorno de Dom Pedro a Portugal para que as medidas recolonizadoras fossem aplicadas.

II. O Partido Brasileiro reunia burocratas, grandes proprietários de terras, advogados e investidores urbanos nascidos no Brasil. Esse grupo foi privilegiado pela abertura dos portos de 1808 e gostaria que fosse mantida a elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal e Algarves.

Acerca das duas proposições acima, é correto afirmar que

  1. ambas são verdadeiras.
  2. I é falsa e II é verdadeira.
  3. ambas são falsas.
  4. I é verdadeira e II é falsa.

18. (UFT) Quanto à formação do território brasileiro é CORRETO afirmar que:

  1. no século XIX, a ocupação limitava-se ao litoral e a atividade econômica de destaque era o cultivo da cana.
  2. os primeiros núcleos urbanos surgiram no litoral em decorrência do modo de ocupação do território brasileiro.
  3. a produção pastoril nos estados de Goiás e Minas Gerais, impulsionaram o desenvolvimento brasileiro no século XVI.
  4. no século XVIII, a atividade que contribuiu para o processo de urbanização no Brasil foi a produção de café nos estados de São Paulo e Minas Gerais.
  5. a população brasileira está distribuída de forma regular pelo território brasileiro, apesar da ocupação inicial ter ocorrido de forma concentrada na faixa nordeste.

19. (UECE) Atente às seguintes afirmações acerca da Inconfidência Mineira (1789):

I. A constituição de um regime republicano no Brasil estava entre os objetivos de boa parte dos conspiradores de Vila Rica.

II. Havia, por parte dos inconfidentes, a preocupação com o desenvolvimento de produtos manufaturados, pois objetivavam a diminuição da dependência de artigos importados.

III. Constituía interesse dos conspiradores a criação de uma nova capital localizada em uma área mais favorável à expansão da lavoura e da pecuária — atividades fundamentais para a subsistência dos mineradores.

Está correto o que se afirma em

  1. I e II apenas.
  2. I e III apenas.
  3. II e III apenas.
  4. I, II e III.

20. (Mackenzie) “A especificidade do Brasil, que se manteve como única monarquia em meio às repúblicas criadas pela independência nas Américas, indica as trajetórias diversas seguidas pelas colônias em sua transição para Estados independentes. Elas indubitavelmente compartilham de algumas características comuns importantes que as vinculam em um processo que varreu o mundo atlântico (...)”

Assinale a alternativa que NÃO contém uma das “características comuns” citadas no texto.

  1. Relacionam-se com as reformas políticas que incitaram a oposição colonial aos governos das metrópoles.
  2. Surgiram de crises políticas e constitucionais que incitaram o descontentamento com a distribuição de poder.
  3. Contribuíram para mudanças na estrutura de poder na América, com a distribuição equitativa de participação dos segmentos sociais.
  4. Inspiraram-se em ideias sobre direitos individuais e soberania popular, nascidas na Europa e em vigor nos Estados Unidos.
  5. Nasceram no contexto de disputas e guerras travadas entre potências coloniais.





.